terça-feira, 6 de março de 2012

Eu e a minha sombra


Por entre cada caminho percorrido, por cada palavra ao vento e cada batalha errante, encontrei em ti o meu eu. No infinito da minha alma vejo o que não consegui com os meus olhos…o meu reflexo. A luz do luar que se refletia na parede iluminava o meu corpo enquanto me movimentava. Fiquei a olhar extasiada. Os contornos dos cabelos, a curvatura do pescoço, dos ombros, as linhas dos braços, o perfil do rosto e do busto. Gostei do que vi. Parecia tão bonito. Não propriamente por ser eu, mas por ser um corpo em movimento. Só que o facto de ser o meu corpo deixou-me mais encantada. Será esta vaidade legítima?
Estou a transformar-me numa narcisista, ou não.

5 comentários:

  1. Saudades destes poemas. Nunca mais disseste nada. :( Dá notícias mal possas sff.

    Ricardo Vilela

    ResponderEliminar
  2. casper­™ = Ricardo Vilela (perfil actualizado).

    Contacta-me por favor...

    ResponderEliminar
  3. https://www.facebook.com/ricardomvilela
    https://www.instagram.com/ricardomvilela/

    ResponderEliminar